Refluxo gastroesofágico

A doença do refluxo gastroesofágico é uma doença digestiva, onde os ácidos presentes dentro do estômago voltam pelo esôfago ao invés de seguir o fluxo normal da digestão, causando dor e inflamação nos tecidos que revestem o esôfago.

Isso acontece quando o músculo que deveria impedir que o ácido do estômago saia do seu interior não funciona de forma adequada. O refluxo acontece mais quando o indivíduo permanece deitado, ou em situações de obesidade onde a gordura abdominal faz pressão no estômago e facilita o refluxo.

Alguns fatores são considerados de risco, pois aumentam as chances de uma pessoa apresentar a doença do refluxo gastroesofágico, entre eles estão a obesidade, asma, tabagismo e diabetes.

Levando em conta o fator alimentação, que também está diretamente relacionada à ocorrência da doença. Chocolate, pimenta, frituras, café e bebidas alcoólicas estão entre os itens que, se consumidos em excesso, podem contribuir para o refluxo.

esofago

O diagnóstico é feito baseado nos sintomas e histórico apresentado pelo paciente, que normalmente reclama com dores no peito, azia, dificuldade para engolir, tosse seca e dor de garganta. Raio x, para observação dos movimentos do esôfago e uma cintilografia de refluxo auxiliam em um diagnóstico mais preciso.

O tratamento para refluxo pode ser feito com medidas simples como uso de medicamentos, e adequação da alimentação, mas em alguns casos pode ser necessário realizar uma cirurgia.

As alterações alimentares é muito importante na doença do refluxo gastroesofágico, o paciente deve eliminar ou reduzir o consumo de bebidas alcoólicas, alimentos ricos em gordura, como frituras e produtos industrializados, além de evitar o cigarro e refrigerantes. A última refeição do dia deve ser feita, no mínimo, 3 horas antes de deitar, evitando que o conteúdo do estômago volte para a boca.

 

Obesidade e problemas respiratórios

A obesidade é uma doença complexa que leva a complicações metabólicas e cardiovasculares que geram problemas respiratórios ao decorrer da vida do paciente com sobrepeso.

O peso excessivo da gordura sobre o pulmão dificulta a entrada e saída de ar e a caixa torácica que envolve os pulmões não se expandem adequadamente devido à pressão externa exercida pela gordura acumulada no peito e na área abdominal.

Isso faz com que haja um limite na expansão dos pulmões, que precisam aumentar a demanda por oxigênio, causando dificuldade em respirar.

Uma das mais frequentes doenças respiratórias em indivíduos obesos é a asma, com 92% dos casos sendo em pacientes obesos ou com sobrepeso.

Esses, normalmente obtém ataques mais agudos e possuem um índice grande de visitas a emergência, sendo mais frequentes em hospitais do que pacientes não obesos com a asma. A asma e a obesidade estão entre as maiores causas de morbidade na infância e adolescência.Capturar

A apneia do sono é outra doença característica da obesidade, se trata de um distúrbio que causa parada momentânea da respiração ou uma respiração muito superficial durante o sono, resultando em roncos e num descanso pouco relaxante, que não permite recuperar as energias.

A maioria das pessoas que possui a doença da apneia apresenta ronco, que é o principal motivo que as faz procurar ajuda do especialista. Mas não necessariamente quem ronca tem a doença.

A perda de peso sempre será a principal recomendação para uma vida respiratória mais saudável, mantendo sempre uma alimentação balanceada e com prática de exercícios diariamente. Porém, a consulta com o médico para recomendação de outros métodos é essencial .

Úlceras gástricas

A úlcera é uma ferida que pode ocorrer em diversas partes do organismo, como na pele e no cólon, porém, quando se fala em úlcera quase sempre as pessoas se referem às úlceras pépticas, isto é, às úlceras gástricas que surgem no estômago.

A úlcera gástrica ocorre quando há um desequilíbrio entre a enzima ácido e pepsina secretado no estômago, e o fracasso das defesas naturais do revestimento do estômago. É muito comum, sendo mais frequente em homens mais velhos.

Dentre os causadores estão o histórico familiar, uso excessivo de medicamentos, obesidade e o estresse, que pode estimular a secreção de ácidos que atacam o revestimento do estômago e do duodeno.

ULCERAS

Para ter um diagnóstico normalmente é realizada a endoscopia, exame realizado sob sedação que permite visualizar diretamente o esôfago, o estômago e o duodeno. Raios X e análise dos ácidos gástricos são métodos úteis em certos casos, mas pouco usados atualmente.

Pacientes diagnosticados com úlcera gástrica apresentam sintomas como sensação de dor e queimação na área do umbigo que se manifesta especialmente com o estômago vazio, vômito, fezes com a coloração avermelhada, dor que desperta o paciente à noite e tende a desaparecer com a ingestão de alimentos ou antiácidos e cansaço fora do normal.

Existem algumas recomendações para a prevenção de tal doença, como evitar fumar, fazer refeições menores, mais leves e mais próximas umas das outras, suspender o uso de aspirina e anti-inflamatórios e controlar ao máximo seu nível de estresse.

 

Dr. De Carli no Centro de Simulação da Santa Casa

No dia 30/06/2017 o Dr. De Carli participou como instrutor de Nós e Suturas por Videolaparoscopia no Centro de Simulação da Santa Casa de Porto Alegre, auxiliando cerca de 30 residentes de cirurgia deste mesmo hospital.

O curso foi muito elogiado pelo grupo participante.