4 mitos sobre a obesidade.

“Se quer perder peso, tudo que você precisa é uma alimentação saudável e exercícios físicos”

Quem nunca ouviu essa frase antes? Existem diversos mitos que cercam a vida de pacientes obesos e que podem causar danos na autoestima e desmotivar a realização da cirurgia bariátrica. Mas a obesidade é uma doença multifatorial e nem sempre está associada a uma visão tão simples.

MITO: A obesidade ocorre quando se consome mais calorias do que se gasta
VERDADE: Nem sempre a obesidade está diretamente relacionada com as calorias consumidas. Muitas vezes, fatores genéticos estão muito mais ligados ao ganho rápido e excessivo de peso.

MITO: Obesidade é uma escolha de quem não possui autocontrole
VERDADE: A obesidade é multifatorial e não envolve questões apenas emocionais, mas sim questões fisiológicas e genéticas.

MITO: Para não ser mais obeso, você só precisa comer menos e praticar exercícios
VERDADE: Para pessoas com obesidade mórbida ligada à doenças que podem trazer sérios riscos à saúde, atitudes como a diminuição de calorias e exercícios são benéficas, mas somente a longo prazo. Em alguns casos, é necessária a intervenção cirúrgica.

MITO: É preciso ser realista e não ser tão ambicioso
VERDADE: Ser realista é importante, afinal, a obesidade não pode ser resolvida da noite para o dia. Porém, metas ambiciosas e objetivos a longo prazo são fundamentais para a saúde física e mental do paciente e colaboram para a perda de peso.

Ainda possui dúvidas sobre o assunto? Participe das nossas reuniões semanais via Google Meets com o Dr. De Carli para esclarecê-las!

Cirurgia Bariátrica: como funciona, pra quem é indicada, quais exames são necessários?

Muitos pacientes obesos convivem diariamente com dificuldades na rotina e o constante desejo pela cirurgia bariátrica. Mas, antes de tomar uma decisão definitiva, é preciso compreender a fundo como funciona o procedimento, quais são seus objetivos e para quem ele é realmente indicado.

O que é a Cirurgia Bariátrica?
Consiste em um procedimento cirúrgico com o objetivo da redução de peso e excesso de gordura corporal em pacientes com obesidade – que sofrem para realizar atividades simples do dia a dia ou que simplesmente estão insatisfeitos com o seu peso atual. O principal objetivo do procedimento é o controle do peso do paciente e de possíveis doenças ou comorbidades associadas a isso.

Quais são os tipos?
A cirurgia bariátrica se divide em três técnicas distintas, escolhidas com a ajuda do médico, de acordo com as necessidades específicas de cada paciente. São elas: Banda Gástrica, Bypass Gástrico, Gastrectomia Vertical (também conhecida como Sleeve) e Derivação Biliopancreática.

Existem exames necessários para a cirurgia?
Sim! São eles: endoscopia digestiva, ultrassom abdominal, exames de sangue, exame psicológico e outros possíveis exames que o seu médico achar necessário.

Existe a chance de engordar novamente?
Os riscos de recuperar o peso perdido na cirurgia existem. Por isso, é necessário seguir corretamente a dieta indicada pelo seu médico após a realização do procedimento e manter um estilo de vida mais saudável.

Ainda possui dúvidas sobre o assunto? Participe das nossas reuniões semanais via Google Meets com o Dr. De Carli para esclarecê-las!

Um alimento pode viciar? Entenda como isso pode estar sabotando seu emagrecimento.

Existem alimentos capazes de criar dependência? Confira o artigo abaixo e entenda um pouco mais sobre o famoso “vício em açúcar” que pode estar sabotando o seu emagrecimento.

Você já experienciou a sensação de “abstinência” gerada pela falta de algum alimento ou bebida que você consome diariamente e com frequência? Seja ele uma pizza, um doce, um suco ou uma bala? Você provavelmente também já falou ou ouviu alguém falar a frase “sou viciado em x comida”.

Os alimentos com grandes quantidades de sacarose podem sim gerar uma sensação imediata de prazer – causada pela dopamina (hormônio da recompensa) e setoronina (o que gera a sensação de bem-estar), porém, os componentes dos alimentos que gostamos muito não podem de fato causar uma dependência química.

Portanto, evite usar a “dependência” em alimentos como uma desculpa para evitar consumos incorretos ou excessivos! E ao invés disso, busque substituir essas comidas com outras opções similares, mas menos ricas em açúcar.